Finolhu Maldivas

Maldivas – Dicas e roteiro completo para sua viagem

Hoje, trago para vocês dicas quentes de um dos lugares mais bonitos do mundo: as Ilhas Maldivas! Direi como chegar, quanto tempo ficar, onde se hospedar e como pagar um valor justo em sua viagem. Venham conosco e conheçam este paraíso!

O básico para as Maldivas

As Maldivas consistem em aproximadamente 1190 ilhas agrupadas em uma cadeia dupla com 27 grandes atóis, separados por aproximadamente 90.000 KM², fazendo do país um dos destinos mais diferentes do mundo. A ilha se espalha por mais de 800km de norte a sul. Sua população cresceu rapidamente durante as últimas décadas, com aproximadamente 400.000 habitantes. Contudo, o país ainda permanece como uma das menores nações independentes do mundo.

Religião

Os Maldivianos são devotos do Islamismo e o seguem de forma rigorosa. Existem muitas mesquitas espalhadas por Male – a capital – e nos resorts também é possível encontrar salas de oração. Importante frisar que, de forma excepcional, é possível consumir bebida alcoólica nos resorts, uma vez que o país proíbe este consumo.

História do povo

Vários artefatos arqueológicos escavados em diferentes partes do país provam que o povo vivia ali desde o século 3 AC. As Maldivas são citadas em vários diários marítimos ou registros de expedições navais dos chineses, árabes, britânicos e demais países europeus.

O povo maldiviano é formado por uma mistura de diferentes culturas e pessoas, que foram para lá e se fixaram. Parte da música e da dança, por exemplo, parecem ter influência africana, enquanto outras tradições refletem características do leste, sul e sudeste da Ásia.

 

Finolhu Maldivas visto de um voo de Parasailing

Idioma

O idioma falado é o Dhivehi, e pertence a um grupo Indo-iraniano de linguagens. Este idioma é falado apenas nas Maldivas, nas Ilhas Minicoy, no atol Lakshadweep e na Índia (perto do norte das Maldivas). A escrita atual, chamada de Thaana, foi introduzida no final do século XVI e tem por característica a direção da escrita, da direita para a esquerda.

O inglês é amplamente falado nas Maldivas e os visitantes podem facilmente se fazer entender pelas ruas de Male. Especialmente nos resorts, a variedade de idiomas é ainda maior, pois as equipes falam também o alemão, francês, italiano, espanhol, russo, japonês e chinês.

Moeda e economia

No último quarto do século XX, a economia tradicional baseada na pescaria artesanal e na agricultura se transformou com o sucesso da indústria do turismo e da mecanização da pesca.

A moeda corrente é a Rúpia e na cotação de abril de 2019, um real comprava 3,86 rúpias (2,72 em 11/2021). Um dólar portanto comprava 15,35 rúpias (15,45 em 11/2021). No entanto, não é preciso se preocupar, pois todos os resorts aceitam dólares americanos, euros ou as tradicionais bandeiras de cartão de crédito.

Vistos e Vacinas

Para brasileiros, os vistos são concedidos no momento do desembarque no país, como acontece na Europa. Não precisamos nos preocupar com emissão de vistos anteriormente. A única exigência é ter o passaporte válido por mais de 6 meses.

A vacina da febre amarela deve estar em dia e o certificado internacional de imunização deve ser apresentado ao desembarcar, num guichê denominado Health Control. Após a conferência pelos agentes de saúde, você será direcionado para a imigração.

Importante dizer, que existem regras relacionadas a pandemia e que no momento estabelecem que passageiros com comprovante de vacinação para Covid-19 também precisam apresentar teste RT-PCR com resultado negativo realizado até 96h antes do primeiro embarque da viagem (não se aplica a menores de 1 ano). Um detalhe importante é que passageiros cuja viagem tenha demorado mais de 24h deverão repetir o teste. O certificado deve conter o nome igual ao passaporte do passageiro e também o nome e endereço do laboratório que realizou o teste.

Também será necessário ter uma reserva de hotel para toda a estadia no país e preencher o formulário “Traveller Health Declaration” nas 24h que antecedem o embarque.

Quando ir para as Maldivas (clima)?

Ninguém quer ir para o destino de praia mais cobiçado da atualidade para pegar chuva, não é mesmo?! Então, o viajante deverá estar atento ao regime de chuvas para escolher o melhor mês para sua viagem.

Embora a temperatura mínima neste pequeno país gire em torno de 25,2°C o ano todo, a incidência de chuvas nas Maldivas é bem alta, sendo o período ideal de janeiro a abril, com especial destaque para fevereiro e março. Nós já fomos no começo de março e no meio de fevereiro e não vimos qualquer vestígio de chuva no ar.

fonte: https://pt.climate-data.org/asia/maldivas/male/male-1024631/

 

Como eu faço para chegar nas Ilhas Maldivas?

É muito fácil chegar nas Maldivas, embora seja muito longe do Brasil. Existem voos de todas as grandes empresas aéreas europeias, além de empresas como Emirates, Ethiopian, Qatar, Etihad e Turkish.

Nós já fomos para lá através da Emirates e da Qatar e super recomendamos as duas empresas. O primeiro trecho da viagem tem duração média de 14h, sendo necessário esperar no aeroporto de Dubai ou Doha por 2 a 3 horas, até que saia o outro voo com destino a Malé, o qual tem duração média de 03:30h . Vocês podem perceber que é uma mini maratona aérea, mas vale muito a pena!

Chegando em Male, somos recebidos pelo pessoal do resort logo na saída do terminal de desembarque com aquelas tradicionais plaquinhas. A única diferença entre as nossas duas viagens para as Maldivas, foi que na primeira vez fomos encaminhados ao terminal aquaviário, onde esperamos mais ou menos 30 minutos numa sala vip do próprio Resort, para então embarcarmos em um voo de meia hora no pequeno hidroavião até o nosso resort.

Já na segunda vez, esperamos na sala vip do próprio aeroporto e embarcarmos em um voo doméstico, que seria seguido de uma pequena viagem de lancha rápida.

Dito isto, estejam atentos a escolha do seu resort, pois quanto mais longe for o resort, mais caro será o voo, especialmente se for de hidroavião. Nos resorts mais próximos de Male será possível chegar apenas de barco.

Quanto tempo e onde ficar nas Maldivas?

Quanto tempo ficar nas Maldivas está diretamente relacionado ao seu orçamento, pois as diárias dos bons resorts são bem caras. Nós estivemos por lá 7 dias inteiros em nossa primeira viagem e 9 dias inteiros na segunda. Se fosse possível ( $$), teríamos ficado muito mais tempo.

Sinceramente, acho que 3 ou 4 dias para um país tão lindo e distante é pouco. De todo modo, cada um sabe o que é melhor para si. Então, se o seu orçamento estiver muito apertado e você não fizer questão de ficar em um bangalô sobre as águas, é possível baratear sua viagem ficando em acomodações mais simples, escolhendo meia pensão ou até mesmo se hospedando em hotéis de ilhas públicas. Não foi o que fizemos, mas quero deixar claro que existem opções de hospedagem para todos os níveis, basta pesquisar pelo booking.com ou com um bom agente de viagens.

Finolhu

 

Em nossa primeira viagem para as Maldivas, optamos por ficar no Finolhu Maldivas que está localizado no Baa Atol. O lugar é um paraíso na terra e é considerado reserva da biosfera. A tonalidade do mar é incrível!! O resort é de alto padrão e possui uma pegada retrô/jovem, que inspira todos os ambientes. Tudo de muito bom gosto e muito bem cuidado.

Nossa suíte era sobre o mar com piscina privativa, a qual contava com frigobar recheado, cafeteira nespresso, banheira, cama king size, duas duchas (uma na área do mar/piscina, outra nos fundos do quarto), além do chuveiro tradicional no banheiro e varandinha.

Um detalhe super interessante é que o resort possui uma suíte bolha, que permite a hospedagem por um adicional de US$600,00 a noite. Ela fica localizada no final do atol, no trecho mais bonito de praia. Depois das 18hs, eles fecham o acesso à praia e o local se torna exclusivo para quem está na bolha. Neste valor está incluído um jantar a luz de velas e das estrelas. O café da manhã também é servido ali. Simplesmente lindo!

Atividades

Importante destacar que o resort possui várias opções de atividades para o período da sua estadia, que podem ser gratuitas ou pagas. Dentre as opções gratuitas estão os esportes aquáticos não motorizados, como stand up paddle, canoagem e snorkeling, as atividades como vôlei, futebol, academia, tênis (sem instrutor), yoga, dança e ginástica.

No Dive Center podemos contratar mergulhos com cilindro, assistidos por profissionais do resort que são certificados pela PADI, a maior certificadora para mergulho no mundo, passeios de barco voltados para a pescaria, jet ski, parasailing, excursões para conhecer a vida marinha (acompanhadas de biólogo), snorkel em áreas mais distantes, passeios de lancha para contemplar o por do sol e afins. Sugiro apenas verificar os preços e a incidência de impostos sobre os valores anunciados que não são baixos.

De noite, todos os dias, são realizadas atividades no bar da piscina, que se transforma numa boate, além de festas temáticas, como a White Party, todas as quartas, onde os hóspedes podem tomar uns drinks no cair da tarde e tem a oportunidade de se confraternizar.

Alimentação

Quanto a alimentação, existem várias restaurantes espalhadas pelo resort e a grande maioria exige reservas, sendo a exceção o Baa Baa Grill que é o restaurante geral.

O Kanusan é o restaurante oriental, o Baahaa Grill é especializado em comida do norte da África/Carnes e o Fish & Crab Shack é de frutos do mar. Este último foi o nosso preferido e fomos 4 vezes ao longo de nossa estadia. Importante dizer que o pacote All Inclusive dá acesso a estes restaurantes temáticos apenas uma vez e caso seja do seu interesse repetir será necessário pagar uma valor adicional.

 

Um detalhe bastante interessante é que os hospedes do Finolhu podem visitar o Amila Fushi (eles te levam e buscam de barco) pagando uma pequena taxa de US$25,00 por pessoa. O Amila Fushi é um pouco menor e mais exclusivo. O pacote de comida e bebida do Finolhu é válido no Amila, mas com algumas restrições. Se a sua vibe é ficar mais isolado, sugiro considerar este resort para sua visita. Os detalhes do hotel podem ser consultados CLICANDO AQUI.

Enfim, nossa estada por lá foi fantástica, desde a chegada, com recepção dos funcionários falando um fluente portunhol, até os pequenos detalhes de arrumação do quarto e decoração. Não temos nada de negativo para pontuar! Super recomendamos!

Deixo aqui o link para verificarem os valores das diárias, é só CLICAR AQUI.

Aponte o celular para o QRCODE e visite o site do hotel.

Pullman Maldives

 

 

Em nossa segunda vez nas Maldivas escolhemos nos hospedar no Pullman. Excelente resort da rede Accor localizado na Ilha Maamutaa, que foi inaugurado em 2019. O hotel é bastante grande, são 19 hectares, e o melhor meio de locomoção por lá são as famosas bicicletas, que devem ser alugadas.

Além de super novo, ele conta com todas as comodidades de uma bom resort. Os bangalôs sobre as águas com piscina privativa são muito bem decorados e não deixam a desejar em nenhum aspecto. Os quartos são abastecidos com bebidas e guloseimas duas vezes por dia, como por exemplo Chocolates Lindit (meus preferidos).

O resort possui vários pontos onde o mar é lindo, como por exemplo na região dos bangalôs e no local chamado Romeu e Julieta. O diferencial do Pullman é que ele inclui em seu pacote atividades aquáticas motorizadas, como Jet Sky, passeio de barco para pesca e por do sol, snorkeling guiado, além de massagens. No nosso caso também estava incluída a realização do teste PCR de retorno, o que também significou uma vantagem.

O hotel possui 3 restaurantes, que servem cardápios bastante variados. A comida é saborosa e de boa qualidade. Destaque para o restaurante árabe e italiano. Outro ponto interessante do hotel quanto a alimentação é que ele possui um restaurante vegetariano e um menu de café da manhã fit/low carb.

A animação noturna fica por conta de uma banda que toca todas as noites no bar da piscina.

 

Outras opções de hospedagem

Se você não agradou de tudo que eu falei sobre o Finolhu/Pullman ou não está dentro do seu orçamento, vou deixar aqui algumas dicas avalisadas. É só clicar no link ao lado e verificar a página do resort no booking. Tem opções para todos os gostos e bolsos.

Resort

Link

Kaani Beach

Clique aqui

Thulhagiri Island Resort

Clique aqui

Cinnamon Dhonveli Maldives Water Suites

Clique aqui

Four Seasons Resort Maldives

Clique aqui

Anantara Veli Maldives

Clique aqui

Anantara Dhigu Maldives

Clique aqui

Mercure Maldives Koodoo resort

Soneva Jani

Clique aqui

Soneva Fushi

Clique aqui

Ayada Maldives

Clique aqui

Six Senses Laamu

Clique aqui

Hurawalhi Island Resort

Clique aqui

Com que destino eu posso combinar uma visita a esta região?

A primeira coisa a se considerar quando estiver escolhendo um destino para combinar com as Maldivas é observar o clima, as conexões que você fará e a proximidade. Neste sentido, a Índia, o Sri Lanka, a China, os países do Sudeste asiático (Tailândia, Myanmar, Cambodja, Laos e Vietnam) e ainda Emirados Árabes (voos da Emirates ou Etihad) e Quatar (voos da Qatar) são as melhores opções.

Nós optamos por combinar nossa visita com um tour pela Índia. Foi tudo de bom!!( veja detalhes sobre essa viagem no próximo post).

 

Muito obrigado pela leitura e espero que aproveitem as dicas!

Aviso, estamos recuperando nossos posts perdidos com o problema ocorrido no blog, teremos novidades uma ou duas vezes por semana, não deixem de nos visitar e conferir nossos posts. Clique aqui e se divirta.

One thought on “Maldivas – Dicas e roteiro completo para sua viagem”

Deixe um comentário