Guia de viagem para o Egito

 

Hoje, separei para vocês nosso guia de viagem para o Egito. A terra dos Faraós e do Rio Nilo é surpreendente! Venha conosco e aproveite!


O Básico sobre o Egito


Onde fica o Egito

O Egito fica na parte nordeste do continente africano, fazendo a ligação da África com o Oriente Médio. O país é composto em sua maioria por deserto e sua população vive praticamente às margens do Rio Nilo.


Como é a segurança em uma viagem para o Egito?

Embora o Egito seja um país bastante pobre, não enfrentamos nenhuma situação que nos colocasse em perigo, mas os cuidados básicos que tomamos no Brasil são sempre bem vindo. Importante pontuar, que havia policiamento em todos os locais turísticos que visitamos e que grupos com mais de 5 pessoas são acompanhados por seguranças, uma exigência do governo para evitar a ação de grupos terroristas.


Comunicações

Compramos no aeroporto dois chips locais para celular, um da Orange e outro da Vodafone. A viagem com os dois transcorreu tranquilamente e super recomendo. Os guichês para compra ficam em lados opostos no saguão de desembarque. Os egípcios preferem a Vodafone, mas não vi muita diferença.


Moeda e Economia

A moeda no Egito é conhecida como Libra Egípcia (Egiptian pound, ou mesmo pound), sua sigla é o EGP. Um dólar americano valia aproximadamente 16,11 EGP e um Euro valia 17,77, em novembro de 2019. A cotação entre as duas moedas é muito parecida, mas eu recomendo que levem dólares.

A economia do Egito é bem diversificada, com 4 grandes pilares. O primeiro é a indústria do turismo, o segundo é a extração de petróleo, o terceiro são os impostos e taxas alfandegárias dos navios que atravessam pelo canal de Suez e o último é a remessa de dinheiro de egípcios que vivem fora do país para os que ficaram por lá.

Religião

A população do Egito é majoritariamente muçulmana, algo entre 80% e 90%. As mesquitas estão espalhadas por todo o país. No entanto, existem outras religiões como Cristãos Ortodoxos Coptas de Alexandria e outras minorias.


Idioma

O idioma oficial é o Árabe, mas em pontos turísticos é possível se comunicar através do inglês e as vezes, do espanhol. No geral, a população não fala inglês, mas há sempre boa vontade.


Vistos e Vacina

A apresentação do certificado internacional de vacinação contra a Febre Amarela (emitido pela ANVISA) é obrigatória.

Em razão da pandemia, o país também solicita do viajante a apresentação, em árabe, francês ou inglês, do certificado de vacinação completa (ou seja, a segunda dose deve ter sido feita há pelo menos 14 dias) contra a COVID, que deverá conter QR Code (como o emitido pelo ConecteSUS).

As vacinas aceitas são AstraZeneca (Vaxzevria), Janssen, Moderna, Pfizer-BioNTech, Sinopharm, Sinovac ou Sputnik V.

Se o seu esquema vacinal não estiver completo, será necessário apresentar teste RT-PCR negativo para Covid-19 impresso, em árabe, francês ou inglês, realizado em até 96h antes do embarque do último voo direto para o Egito. O teste deve conter o selo do laboratório ou QR Code (não se aplica a menores de 6 anos), o nome completo do passageiro, número do passaporte, data e hora em que a amostra foi colhida e detalhes do tipo de amostra colhida para o cotonete.

Todos os passageiros também devem preencher um formulário de declaração de saúde que será fornecido a bordo da aeronave, e estão sujeitos a novo teste na chegada.

Quanto ao visto, ele custa US$25,00 por pessoa (leve dinheiro trocado), e pode ser adquirido na chegada.

Depois de colar o visto (semelhante a um adesivo) no passaporte, você deve se dirige ao guichê de imigração e passar por aqueles trâmites tradicionais, onde o agente fará a checagem padrão.

Observação:

Depois de “entrar” no país, ou seja termos passado pelo guichê da imigração, fomos abordados novamente por outro agente de segurança que pediu o nosso passaporte (não estava de uniforme, portanto não estranhe) e nos fez mais algumas perguntas. Sem muita complicação nos liberaram.

Quando ir ao Egito?

O clima no Egito não é para amadores, as temperaturas no verão castigam, passando de 50°C em algumas regiões do país. Então, recomendo fortemente que vocês não viagem para lá nessa época do ano.

O melhor período para a visitação são a primavera e o outono, onde as temperaturas vão estar um pouco mais baixas (mas nem não tanto). Nós estivemos no Egito em Outubro e no Cairo a temperatura girava em torno de 30ºC, ao passo que em Assuan ficava perto de 42ºC, assim como em Luxor. Durante a noite as médias eram de 20 e poucos graus.


Como chegar ao Egito?

Não existem voos que liguem o Brasil ao Egito de forma direta, sendo necessário fazer conexão em algum país da Europa ou Oriente Médio. As principais empresas com voos para lá são a antiga Alitália agora ITA, Emirates, Lufthansa, Royal Air Maroc, TAP, Ethiopian Airlines, Air France e KLM. O tíquete médio de passagem comprando com antecedência custa em torno de R$4800,00. Fiquem atentos as promoções, mas prestem ainda mais atenção na época em que o bilhete está sendo oferecido. Ir para lá no verão é desperdício de dinheiro, pois a visita será insuportável!

Quanto tempo devo ficar no Egito?

Nós ficamos 10 dias inteiros e fizemos um roteiro bastante agradável. Começamos pelo Cairo (3 noites), em seguida fomos para Assuan (1 noite), de onde pegamos um cruzeiro no Nilo até Luxor (4 noites) e finalizamos no Cairo por mais 2 noites.

Há quem estique o passeio e vá pegar uma praia em Hurgada ou Sharm el-Sheikh (eu queria muito ter ido, mas não tinhamos dias suficientes para isso).

Então, acredito que em uma visita de 15 dias dá para cobrir bem todos este pontos de interesse.


Onde ficar no Egito?


Cairo

No Cairo decidimos por nos hospedar no Steigenberger El Tahrir, na praça Tahrir, bem no centro da cidade. A rede é alemã e o hotel nos surpreendeu positivamente. Não vou negar que o medo era grande em relação aos hotéis do Cairo pois a hotelaria no Egito é muito antiga, mas não tenho nada de negativo para pontuar quanto a este hotel. Nossa hospedagem possuía inúmeras comodidades como internet, um ótimo serviço de quarto, excelente localização, além de ter um caixa eletrônico para câmbio no saguão.

Importante dizer que muitas pessoas fazem a opção de ficar em hotéis em frente as pirâmides, mas essa região é bastante feia e isolada das demais atrações. Então, pensando em tudo isso e considerando que nós nos programamos para estar nas pirâmides 3 vezes, não quisemos nos hospedar lá e não nos arrependemos da escolha.

Caso queiram contratar sua hospedagem neste hotel, CLIQUEM AQUI e confiram. Mas se a sua ideia é verificar outras opções de hospedagem, deixo aqui o mapa com ótimos hotéis por toda a cidade.


Assuã/Assuan


Em Assuan nos hospedamos no Movenpick Resort Assuan, que é um dos tradicionais hotéis da cidade e fica numa linda ilha no rio Nilo. Para chegar ou sair, você pega um barquinho do hotel. Super tranquilo! Mas atenção, o Movenpick possui duas unidades que estão contiguas, uma mais antiga e uma novinha. Prefiram a nova é claro! Caso queiram verificar,
CLIQUEM AQUI.


Cruzeiro no Nilo

Essa é um parte imperdível da viagem! O cruzeiro pelo rio Nilo é muito agradável, totalmente diferente da experiência que muitas vezes temos no mar. O nosso trajeto foi de Assuan até Luxor, com 4 dias/2 noites de navegação. O nosso navio fez pequenas paradas ao longo do trajeto para visitarmos os templos de Kom Ombo e também Edfu.

Os quartos eram ótimos, a comida e o serviço de todos os tripulantes era impecável! Vejo sempre muitas pessoas reclamando sobre os cruzeiros no Nilo, pois muitos navios são antigos e com serviço ruim, mas no Steigenberger Royale, podem ir sem medo. Caso queiram conferir, segue o link para a página do navio no BOOKING.

 

Nosso roteiro de 10 dias no Egito


Cairo (5 dias)


Pirâmides de Gisé

Certamente, o grande motivo para sua viagem ao Egito foi conhecer as Pirâmides, mas elas não estão situadas no Cairo e sim em Gisé, terceira maior cidade do Egito, localizada a mais ou menos 40 minutos de carro do centro do Cairo (se o trânsito estiver bom). Dito isto, indico que você chegue cedo, de preferência no primeiro horário, pois o movimento de turistas é frenético e o calor bastante intenso.

Ao chegar no sítio arqueológico, a visão de tão grandiosa obra, a mais antiga das maravilhas do mundo antigo e a única que ainda existe, irá te deixa sem palavras, mas será inevitável pensar como tudo aquilo foi construído. Para vocês terem uma ideia, se a Grande Pirâmide estivesse na cidade de Nova Iorque por exemplo, ela poderia cobrir sete quarteirões. Todos os quatro lados são praticamente do mesmo comprimento, com uma exatidão não existente apenas por alguns centímetros. Isso mostra como os antigos egípcios estavam avançados na matemática e na engenharia, numa época em que muitos povos do mundo ainda eram caçadores e andarilhos. Os egípcios eram realmente incríveis!

No complexo existem 6 pirâmides, sendo que as 3 mais importantes são as Pirâmides de Quéops (a maior de todas), de Quéfren ( um pouco menor) e de Miquerinos (a mais modesta). As três pirâmides menores que se vê ao fundo eram destinadas as suas rainhas. O objetivo destas construções era servir para a guarda dos restos mortais dos faraós e de suas imensas fortunas, que seriam necessárias para a vida que se seguiria após a morte.

O interior das pirâmides pode ser visitado, embora não exista nada dentro. Este passeio deve ser evitado por claustrofóbicos.


Contratamos uma visita guiada as pirâmides pelo Get Your Guide e super recomendamos, pois os egiptólogos tornam o passeio muito mais interessante com as suas explicações.
Veja o passeio que nós contratamos clicando aqui.


Esfinge

A Grande Esfinge de Gisé é uma imponente escultura dotada de cabeça humana e corpo de leão localizada junto às Pirâmides de Gizé, bem ao lado da grande pirâmide de Qéops. De acordo com a egiptologia moderna, ela foi construída em aproximadamente 2 500 a.C. para o faraó Quéfren. Uma curiosidade, é que esta é a maior estátua feita de monólito no mundo, com 73,5 metros de comprimento, 19,3 metros de largura e 20,22 m de altura.


Museu Egípcio no Cairo

O novo museu Egípcio é simplesmente fascinante e sua visita é obrigatória!

Em seu interior será possível encontrar inúmeras múmias, jóias, estátuas, quadros e objetos que contam a história do Egito. Seu ponto alto é a incrível exposição dos tesouros do túmulo do Faraó Tutancamon, com especial destaque para sua máscara mortuária!


Cidadela de Saladino

A cidadela foi construída no século XII para defesa da cidade contra os cruzados, sendo uma grande área fortificada no alto de uma montanha. Hoje em dia, ela abriga algumas mesquitas, inclusive a grande Mohammad Ali, palácios e museus. Dali podemos ter uma vista panorâmica da cidade do Cairo.

Mesquita Mohammad Ali

Também conhecida como Mesquita de Alabastro, é a maior mesquita da cidade e a única que funciona apenas com propósitos turísticos. O local foi construído entre 1830 e 1857 sob ordem de Mohammad Ali em homenagem ao seu filho mais velho, falecido em 1816. O ingresso custa EGP140.


Bazar Khan El Khalili

O Bazar é muito antigo e era usado no passado para a recepção de caravanas. Hoje em dia, possui centenas ou milhares de pequenas lojas, onde é possível encontrar de tudo. Uma dica super legal é aproveitar o passeio para conhecer o tradicional restaurante Naguib Mahfouz Café, que serve a autêntica comida egípcia.


Bairro Copta

O Bairro Copta é muito conhecido e visitado pelos turistas cristãos pois de acordo com a tradição, a família de Jesus teria ficado ali durante sua fuga para o Egito. Os pontos altos da visita são a Igreja de São Jorge, a Igreja Suspensa e Sinagoga Ben Ezra.


Praça Tahrir

Este é um lugar de extrema importância para o Egito, pois foi ali que ocorreram as manifestações da primavera árabe que causaram a revolução em 2011. Há também vários edifícios famosos e importantes no seu entorno, como por exemplo o prédio do antigo Museu Egípcio, o edifício Mogamma e o hotel Nile Rotz Carlton.

Bem próximo dali está a Torre do Cairo, que é um monumento construído em forma de flor de lótus no bairro Zamalék, de onde pode-se ter uma vista panorâmica da cidade.

 

Ainda recomendo a visitação aos pontos a seguir:

  • Complexo de Saqqara;
  • Memphis Museum;
  • Parque Al-Azhar;
  • Palácio Amir Taz;
  • Mesquita Sultan Hassan;


Aswan e Abu Simbel


Vila Núbia

A vila Núbia é um resquício das antigas aldeias do povo núbio que vivia entre o Sudão e o Egito. Os Núbios conservaram sua cultura e as antigas tradições, além da língua. Uma curiosidade sobre o idioma falado por eles é que não há alfabeto, nem tão pouco escrita.

As casas coloridas com inúmeras gravuras e formas geométricas são o ponto alto, além dos inúmeros filhotes de crocodilos que habitam algumas casas como símbolo de proteção.


Templo de Philae (Templo de Isis)

O templo de Philae é uma construção dedicado a deusa Ísis, a deusa da sexualidade, da fertilidade e da maternidade. Seu formato segue o mesmo padrão dos grandes templos, com uma entrada imponente e cômodos laterais. O seu diferencial é o estado de conservação.

Uma curiosidade é que ele está localizado a alguns metros de seu local original. Com a construção da grande represa em Aswan, a ilha onde ele ficava foi inundada, e por vezes as visitas eram feitas em pequenos barcos por entre as paredes milenares. Na década de 70, após seu tombamento pela UNESCO, foi conduzido um projeto que proporcionou a transferência do templo para a ilha atual. Cada peça do templo foi minuciosamente desmontada, catalogada e remontada no local atual. Trabalho incrível!

O acesso é feito em pequenos barcos a motor, o que proporciona um passeio muitíssimo agradável. Não percam!


Passeio de Feluca

Uma das tradições de Aswan são suas felucas, os famosos barcos a vela que navegam pelo Nilo. Além de muito bonitos, os barcos proporcionam uma viagem agradável nos fins de tarde. Uma ótima oportunidade para apreciar o pôr do sol no rio Nilo!


Obelisco inacabado

Este passeio consiste em conhecer uma enorme pedreira onde os antigos egípcios extraíam as pedras para a construção de seus monumentos. No local está um grande obelisco semipronto que foi abandonado. É impressionante pensar como no passado os egípcios transportavam uma pedra daquela dimensão por centenas de quilômetros.


Abu Simbel

Os templos localizados em Abu Simbel são joias do Egito, que foram construídas entre 1264 e 1244 a.C. pelo faraó Ranmsés II.

O primeiro templo (maior) foi destinado ao seu culto e também aos deuses Amun Rá e Ptah, contando com mais de 30 m de altura e quase 40m de largura, além de 56 m de comprimento. O segundo templo foi destinado a homenagear sua esposa preferida Nefertari e também a deusa Hathor.

A grande curiosidade sobre estes templos é que, assim como o Philae em Aswan, foram removidos do seu local original por conta da inundação causada pela represa. Duas obras de engenharia e arte impressionantes!

Importante esclarecer, que a cidade fica a 300km de Aswan, sendo possível chegar de avião, em um voo de 30 minutos a partir dali ou de carro em uma viagem de 4 horas. Considero uma visita imperdível!

Templo de Kom Ombo

A primeira parada do nosso cruzeiro foi em Kom Ombo. Logo no primeiro horário, saímos com nosso guia Ossama para visitar o templo. Este é um dos mais recentes templos do Egito, da época Ptolomáica, entre 180 e 45a.C. Uma importante diferença a se destacar é que ele foi dedicado a dois Deuses, Sobek (Deus Crocodilo) e o Deus Hórus (Falcão). Toda essa dualidade pode ser verificada em sua arquitetura.

Um fato bastante curioso é que nas paredes deste templo existem gravuras com instrumentos cirúrgicos/medicinais. Também existe na área dedicada ao templo um nilômetro, com o qual, os faraós podiam medir a cheia do Rio Nilo e assim estipular quanto poderiam cobrar em impostos do povo.


Templo de Edfu

Depois da visita a Kom Ombo, navegamos novamente e paramos em Edfu. Do barco, pegamos uma carruagem (típica na localidade) e chegamos em minutos ao templo.

O templo de Edfu é o segundo maior de todo o país e foi dedicado ao Deus Hórus. Este templo também foi construído na era Ptolomáica, entre 237 e 57 a.C.. Do lado da enorme entrada do templo, na parte de dentro, está uma Mamisi, onde acredita-se que aconteciam partos. Ou seja, vestígios das primeiras maternidades do mundo. O grande destaque da construção é o seu pilono, estrutura da frente do templo, muito bem decorada com cenas das guerras empreendidas pelo faraó. Seu estado de conservação é um dos melhores do Egito.


Luxor

Para mim, a visita a Luxor foi um dos pontos altos de nossa viagem pelo Egito. O Vale dos Reis e o Vale das Rainhas são locais imperdíveis!

Nossa primeira manhã em Luxor foi dedicada ao nosso passeio de balão, realizado pela empresa Salem Ballons Luxor. (Veja aqui no Get Your Guide algumas opções de passeio por lá.) Este foi com certeza um dos melhores momentos da viagem. Embora tenha sido nosso terceiro voo de balão, antes desse já havíamos voado em Bagan no Myanmar e na Capadócia na Turquia, o clima quente e seco do local foi extremamente favorável para um voo tranquilo e prazeroso.

O percurso foi sobre o Vale dos Reis e das Rainhas, passando por alguns templos e fazendas da região.

Após o passeio encontramos nosso guia Ossama e nosso motorista bem em frente aos Colossos de Memnom, que são duas estátuas de aproximadamente 20m que guardavam o templo de Amenhoten III, dali partimos para o templo de Hatshepsut.

 


Templo de Hatshepsut

Hatshepsut foi conhecida como a Faráo mulher mais poderosas de todo o Egito. Seu nome é lembrado de norte a sul do país.

Ela se vestia como homem, muitos acreditam que para tentar impor respeito, outros dizem que era para representar fielmente a figura do deus Hórus, o qual todo faraó devia representar. O templo possui três andares distintos e uma grande escadaria. Vale muito a visita!


Vale dos Reis

Em algum momento da história os antigos faraós perceberam que suas pirâmides mortuárias eram alvos fáceis para depredação e saques, e encontraram um local (estrategicamente localizado) num grande vale com montanhas em formas piramidais, onde eles escavavam tumbas subterrâneas.

Atualmente, já foram encontradas aproximadamente 63 tumbas no Vale dos Reis, sendo que 15 delas estão abertas a visitação. As mais famosos são as de Ramsés IV e Tutancamon. O ingresso mais comum compreende a entrada em 3 tumbas, mas valores adicionais são cobrados para a visitação de tumbas como as de Tutancamon. Preciso dizer a vocês que este valor adicional espanta parte da multidão e a visita se torna um pouco mais tranquila.

O estado de conservação das tumbas é incrível, considerando a idade das mesmas e para mim foi uma das atrações mais impactantes. Não perca de maneira alguma!


Vale das Rainhas

No Vale das Rainhas foram descobertas 80 tumbas, sendo que apenas 4 estão abertas para visitação, sendo a principal a da rainha Nefertari. Só para visitar esta tumba você terá que desembolsar algo em torno de EGP 1000.

Tomem muito cuidado ao escolher a época de sua visita pois essa região do Egito passa fácil dos 50ºC no verão. Nossa visita terminou no meio da tarde e voltamos para o cruzeiro, onde almoçamos e aproveitamos a estrutura do barco.

 


Templo de Luxor

No segundo dia em Luxor fomos cedo para o templo de Luxor (a iluminação na parte da manhã é perfeita neste templo, no de Karnak fica melhor de tarde, mas a multidão te atrapalhará a conseguir boas fotos), o qual possui aproximadamente 260 metros de comprimento e foi destinado a adoração do deus Amon. Na sua entrada, há uma estátua de Ramsés II e um obelisco.

No passado existiam dois obeliscos, mas o segundo foi ofertado pelos egípcios aos franceses e está instalado na famosa praça de La Concorde em Paris. Dizem as más línguas que o obelisco foi trocado por um relógio que fica na mesquita Mohammad Ali no Cairo, que na prática, nunca funcionou.


Templo de Karnak

 

No passado havia um caminho de aproximadamente 2km em linha reta, que levava do templo de Luxor ao templo de Karnak. A cada 2 metros deste caminho existia uma pequena esfinge com cabeça de carneiro (dos dois lados, formando um grande corredor, algumas delas ainda podem ser vistas no templo de Luxor).

O templo de Karnak é o maior de todo o Egito e sua construção durou milhares de anos (quase dois mil). Todo este tempo se deve ao fato de que cada faraó ao ocupar o trono construía uma nova ala, um novo obelisco, uma nova estátua e etc. Todo mundo queria deixar a sua marquinha.

A grandiosidade deste templo nos dá a exata noção da nossa pequenez. As agências de turismo fazem um passeio de meio dia a este templo. Devido ao tamanho, nós optamos por vir 2 vezes em dias sucessivos (uma com o nosso guia e outra por nossa conta).

Com que destino eu posso combinar uma visita ao Egito?

 

Fica muito fácil visitar os países árabes que estão no entorno, como: Jordânia e os Emirados. A complicação maior é para quem quer visitar Israel, pois os países não possuem acordos diplomáticos e a ligação entre eles fica dificultada. No nosso caso pegamos um voo da Aegian com escala na Grécia e fomos de Israel para lá.


Veredito

 

Ficamos maravilhados com o Egito. Para mim foi surpreendente! A cultura milenar, os templos, as pirâmides e o Vale dos Reis foram experiências inesquecíveis. Embora seja um país pobre, na medida do possível está muito bem estruturado. Não percam a oportunidade de ter um super banho de história e cultura!

Nossa viagem foi organizada pela agência Trauco ( eles pronunciam Trafco) do Egito, através da nossa agência do Brasil com pacote privado da Abreu Turismo. No entanto, digo a vocês que muita coisa pode ser organizada por conta própria, contando com serviços como Get Your Guide e Viator. O nosso guia Ossama Fadel, falava muito bem o português e pode ser contratado diretamente pelo Instagram, que é @ossama_viagens. Eu recomendo.

Outras dicas de viagens exóticas

  • Dicas de viagem para Dubai nos Emirados Árabes
  • Roteiro de viagem de 12 dias na Índia
  • Dicas de viagem para as Ilhas Maldivas
  • Krabi Ao Nang – Veja nossas dicas de como visitar
  • Visite Koh Phi Phi na Tailândia, saiba tudo aqui
  • Guia de viagem para Bangkok, capital da Tailândia
  • Visite os milhares de templos budistas de Bagan

Obrigado a todos pela Leitura e até a próxima.

  • Use também nossos hashtags nas redes sociais #blogaviagem e #viverouacumular